domingo, 22 de julho de 2012

AMOROSO AMANHÃ

 
A menina revira escombros para encontrar algo que renda Potocas-Douradas.

Muitas Potocas podem comprar um cargo de Auxiliar-de-Caça-Eleitor.


Ao invés disso descobre um livro! Justo ela, uma Periférica que ainda sabe ler. Que sorte!


Eduína oculta a preciosidade sob o incômodo vestido ecoplástico, e a sensação do macio papel, na pele, é incrível para quem nasceu na Orla-Olvidável.



Esconde-o na esperança de não ser pega.


E, porque o sistema carcerário é oneroso para o bolso do Amoroso-Poder, sequestrar, traficar e assassinar são Crimes-Passe-Livre após Demonstração-Pública-de-Desagravo.



Mas saber ler, para um morador da Orla, é crime inafiançável, inapelável e de detenção perpétua, já que todo livro pertence ao Museu-Hirsuto-Nacgional, onde a democracia, mediante licença, permite consultas somente aos Capacitados-pelo-Comitê-de-Alta-Ingerência-Pátria.


Eduína sabe que houve um mundo melhor e mais livre, mesmo que o Reformatório-Educacional-do-Quinhão-Local diga que aquilo é falácia e mito criado pelas já destruídas CiasDFs-e-Outras-Inferioridades-Revolucionárias.

 
Se o Museu-Hirsuto não é para todos, um Olvidável tem o dever de frequentar o Recreativo-Sorria-Já.



Os Recreativos, não possuem livros ou obras de arte, mas obrigam semanalmente ao esporte, e uma vez ao mês apresentam Amorosos-Famosos entoando canções de 4 compassos e refrão de até 8 palavras para honra e glória do Amoroso-Poder, com direito a um doce, show de fogos e uma bexiga colorida! Que alegria!





Mas a garota prefere crer que há opções.






Vendo tanto escombro e ruínas ao seu redor ela entende que são destroços dos tais sistemas desativados, indústrias vilipendiadas e outras infraestruturas. E aí crê que a água já jorrou por canos aquecidos, que houve luz noturna e que som e imagem podem ter caminhado pelo ar.


Descendente dos estudiosos condenados a olvidar, Eduína vive numa Oca-Comunitária de Taba-Periférica para onde se transferiu todo aquele que não aceitou o cabresto da Nova-Amorosa-Câmara (especializada em disfarçar por meio de projetos a falta de investimento real, mais conhecida como Dema-Gogo-Social-Assembleia).



Foram os Dema-Gogos que criaram a Amorosa-Universidade-Cotista-Pão-e-Circo, porque se fizessem justiça salarial aos mestres e dessem dignidade física ao Ensino-Público-Amoroso desde a infância a ponto de os alunos concorrerem com os estudantes das escolas pagas, quem cobriria do 14º ao 18º salário e outros tantos benefícios incríveis conquistados a duras Penas-Plenárias?























A solução?

Cotas-Universitárias para os incapacitáveis pelo Amoroso-Sistema-de-Ensino-Básico-Fundamentado.


Professores insatisfeitos e alunos deseducados proibidos de fazer correções, ou sofrer reprimendas, desmotivariam os metidinhos a estudiosos.


E, só para garantir determinaram: aquele que estudar mais e parecer saber mais deve ser apontado e acusado de Exibido-Portador-de-Preconceito-Intelectual.























Medidas simples sempre podem acovardar pais de alunos mais exigentes.

Edu sabe, a Universidade nem é cotista, já que todo eleitor não ligado ao governo é Despreparadamente-Igual-a-Quase-Todos fazendo a maioria desistir cedo do estudo não recompensado.

Enquanto ela, que nem pertence aos Quase-Todos, suspira na certeza de que estudar legalmente não é para o seu bico.


Sua sorte é a Resistência que ensina melhor e furtivamente os Olvidáveis-Inconformados.









Assim, puxa o decote em V de sua ecoveste cobrindo a cabeça por inteiro e arrisca-se a ler baixinho o título do livro: “Bolsa-Estudo-Exterior-para-Quase-Todo-Estudante-Descendente-do-Amoroso-Poder-Público (Obrigações e Direitos)”.














É então que sente! Está imobilizada! Serão os Amorosos-Fiscais-Censuradores-da-Resistência-Cultural? Em pânico sufoca e desmaia.


Eduína abre os olhos doloridos pela febre.


Percebe: está em casa e o ano ainda é 2012. Que bom!



Em seu país os demagogos incapazes de raciocínio, gananciosos e desonestos são tão poucos que nunca poderão se somar para levar à ruína intelectual e econômica aqueles que pagam por seus tão fartos salários e benefícios...

Ou podem?
 
 
 
 
* Cecilia Ferreira, jornalista, membro da UBE e da Academia Araçatubense de Letras.

4 comentários:

  1. O seu estilo literário é encantador, Cecília, e às vezes até deleita por sutil ironia. Irretocável!

    ResponderExcluir
  2. Se podem?
    Podem. Aliás...

    Obs.Espero que estejas bem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdadeiramente, amigo, disse-o bem: aliás....
      risos***
      Vamos se ver se nos vemos todos na palestra do Menalton, aliás, dia do lançamento do livro do amigo Antenor, nào é?

      Excluir

Que bom que quis comentar. Pode esperar que logo respondo. Obrigadinha.