sábado, 27 de agosto de 2011

Falando em fé...

Mateus 21. 22: “Em verdade vos digo que se tiverdes fé e não duvidardes (...) tudo o que pedirdes, na oração, crendo o recebereis”.


Cientistas procuram explicar os mistérios da fé como sendo tão somente uma ação biológica, inata, de origem química. Não deveria ser surpresa para nenhum cientista deste século a reação física derivada do ato de confiar em Deus.

Há muito sabemos que reações orgânicas nos ajudam a subsistir. A ciência explica como, mas não por quê.


Os esclarecimentos científicos têm suscitado mais questionamentos que certezas.



Dizem: “chove porque está muito quente”, ou “não chove porque não há árvores para reter a umidade”.
Ah... Sei! Como é mesmo? O deserto é quente porque não tem árvores, ou não tem árvores porque é quente?

Enciclopédias afirmam: a desertificação ocorre por fatores naturais, ou ação humana, e, no Saara, avançou, ao longo de milênios, pela pouca pluviosidade.

Tudo bem, o efeito-estufa-pós-glacial, não foi culpa do homem! Mas, vá explicar por que a chuva desertou daquela e não doutra região.


O biólogo David Wilson (EUA), em entrevista, proclama-se sem Deus e com fé.


Depois de dizer que não entende a teoria da relatividade de Einstein, afirma ter fé na veracidade da tal incompreendida tese. Alguém entende?

Cocemos nossas cabeças... Incompreensível por incompreensível melhor fé noutro macho que em Deus? Será?

E cadê o ‘elo perdido’ de nossa suposta ascendência símia?

A teoria de Darwin é ensinada nas escolas, ano após ano, e ainda depende da comprovação.

Sei lá... Darwin talvez acreditasse no que disse, mas eu tenho uma ligeira desconfiança de que (pelo menos eu e minha família) não descendemos do macaco.

Nem ao menos somos a única espécie capaz de antecipar nossa própria morte como afirmou certo veículo de comunicação, porque as baleias além de capazes de suicídio o fazem coletivamente (como uns poucos fanáticos religiosos).

O que não dá para negar é que somos os únicos a exibir fé Naquele que opera milagres demonstráveis e cientificamente inexplicáveis. A verdade é que ninguém nos ensinou, cremos no Criador porque está em nós agir assim.


Nossos primeiros ancestrais conhecidos (comprovados pela genética) criam e, segundo a arqueologia, sobreviviam em áridos tempos porque tinham Deus no coração.


Como contra fatos o homem não opõe argumentos, e o saber jamais provou a inexistência de Deus como supôs nossa vã filosofia, cientistas substituem o desvendar do mistério pelo reconhecimento público de ocorrência química em milagres físicos.

Tateamos, às cegas, o sombrio mundo dos homens, porque o Mistério, insondável em nossa culta arrogância e orgulho científico, só é visível e expugnável pela fé.


CURIOSIDADES:
* O artigo foi publicado na Folha da região, coluna Soletrando (pertencente à Academia Araçatubense de Letras), em 07/02/2007.
* Amanhã sairá outro artigo, no mesmo jornal (coluna Tête-à-tête), falando da tal hominídea Ardi, de quem concardaram (finalmente?) em descender.
* Publico este artigo como forma de dar sequência: pensava antes, e permaneço pensando (que ainda não inventaram um jeito de invadir mais este direito à privacidade): independente da fé, o intelecto, maioria das vezes, é mais importante do que certas afirmações "científicas".

3 comentários:

  1. Está escrito no Livro sagrado: A fé remove montanhas. Ou ainda: a tua fé te curará. Eles sabiam...como não sei.
    Há uns 20 anos ou mais, na Alemanha, os médicos-cientistas pegaram um grupo de pacientes com a mesma patologia. Tudo foi tentado e os resultados, insatisfatórios.Eureka! separaram o grupo em dois: um tratado com principio ativo e outro com placebo. Quase nada diferente. Aí, tornaram a separar o grupo em dois: um de otimistas e outro de pessimistas. Nossa, com o mesmo padrão terapêutico o grupo de otimistas teve resultados fantásticos? Quiseram saber o porquê.Inúmeros estudos foram realizados até que perceberam que os otimistas produzem uma enzima que potencializa a ação de qualquer medicamento, favorecendo a cura...a tua fé te curará.Já estava no Livro.

    ResponderExcluir
  2. O incrível não é que esse conhecimento exitisse, mas sim que esse conhecimento de tempos em tempos se perca. Né não, José Hamilton?

    ResponderExcluir

Que bom que quis comentar. Pode esperar que logo respondo. Obrigadinha.