quarta-feira, 18 de abril de 2012

VINGANÇA


























Do teu domínio me libertei.

Não via o mal
que me querias.

Do vil fascínio que é teu olhar
serei cigana
-como vingança.

Não deixarei
de estar contigo
- casualmente -
pois tuas fúrias,
tuas perfídias
são as aleias
que me convidam
a estar à frente.




Curiosidades:
Do livro Instantâneos, em Inssurreição, ed. Massao Ohno

6 comentários:

  1. Mesmo em tom magoado, a tua poeticidade é radiante de esplendor, Cecília. Receba os meus aplausos com o carinho e a admiração de sempre.

    ResponderExcluir
  2. Que bom voltar a receber comentários seus, Antenor. Quem eu seria sem o combustível das amizades? Abraço!

    ResponderExcluir
  3. "Do vil fascínio que é teu olhar..."

    Cissa, você anda lendo mãos, bola de cristal, usando as cartas do Tarot ou algo do gênero? rsrsrsr (Não, você lê almas mesmo).

    A minha está descrita nestes belos versos...quanta identificação! Beijos, linda.

    ResponderExcluir
  4. Bacana, Fernando, agradeço de monte! :)

    ResponderExcluir
  5. Maria Tereza, querida, adoro seus comentários - risos***- fico me achando! Bjks

    ResponderExcluir

Que bom que quis comentar. Pode esperar que logo respondo. Obrigadinha.