quinta-feira, 10 de novembro de 2011

CONSCIÊNCIA X CONDESCENDÊNCIA (ou considerações sobre escorpiões, monges e galinhas ruivas)


“Estai, pois, firmes, cingindo-vos com a verdade e vestindo-vos da couraça da justiça. Calçai os pés com a preparação do Evangelho da paz; sustentando sempre o escudo da fé, com o qual podereis apagar os dardos inflamados do Maligno. Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus”. Efésios 6:14-17


A verdade, vendo-se rejeitada por todos, sentia-se humilhada e, triste, se escondia pelos cantos. Um dia a parábola a encontrou e, cedendo-lhe suas vestes, demonstrou que o ser humano é incapaz de encarar a própria realidade, mas que, com algum disfarce, a verdade pode ser amada e andar entre os homens.

Assim também operam algumas fábulas e lendas. Esopo narrou que certo dia um escorpião pediu a um batráquio que o levasse ao outro lado do rio. A rã, com algum receio, por bondade aceitou o risco e deu carona em suas costas. O Escorpião, ao chegar do outro lado, mesmo diante do favor, picou a pobre rã, que, antes de morrer envenenada, perguntou ao peçonhento a causa de tamanha ingratidão. O escorpião, com simplicidade, respondeu: – Está na minha natureza.

Tenhamos paciência e matutemos sobre mais uma historinha. Um Monge, com as mãos, retira outro escorpião, que se afogava, de dentro das águas. Este imediatamente o pica. O Monge ao sacudir a mão de susto, sem querer, lança-o novamente ao rio revolto, mas pacientemente, por meio do uso de um galho, volta a salvar o animalzinho traidor e desconhecedor de caridade e gratidão. Os discípulos indignados querem saber por que o perigoso bicho é salvo pela segunda vez. O Monge, sorridente responde: ele faz o que está em sua natureza, e eu faço o que está na minha.

Se na Bíblia Jesus nos pede que perdoemos setenta vezes sete, devemos proceder como o Monge da lenda. Mas observemos que esse religioso, ao usar um galho, e não mais as mãos, cumpriu o mandamento sem voltar a se colocar ao alcance de seu opositor. O artifício utilizado o manteve longe da peçonha e da ira do traidor, ao mesmo tempo em que cumpria o que seu coração temente lhe ordenava. Quer dizer, agiu de acordo com sua boa consciência sem, no entanto, colocar-se novamente em posição de ser agredido.






















Ser consciente é muito diferente de ser condescendente. Não é preciso conviver com os anões espirituais, nem aceitar ou nos esconder de suas inverdades inóspitas. Deixemo-los em seus buracos escusos com sua sórdida mesquinhez. Aos jardins reservemos as flores, cuidando para que qualquer caridade não permita que o nocivo se intrometa em nossos quintais a ponto de nos afastar de nossa beleza mental, moral e espiritual.

CURIOSIDADES:

* Esta crônica foi publicada na Folha da Região de Araçatuba há alguns anos.

* Esta reprodução de crônica é dedicada a Salomé Macedo e Henry Mascarós, e outros 100% de trabalhadores voluntários que, figuraram como monges, se doando e trabalhando incansavelmente, até extenuar-se, em nome de um sonho comunitário.

* Em determinado momento Os 100% de trabalhadores,também 100% representantes de algum segmento cidadão, representaram, infelizmente 49%, dos votantes.

* Mas..., feito o conto popular A Galinha Ruiva, quem jamais deu as caras na hora de trabalhar, ou se doar, que não plantou o milho, não colheu, não moeu, não fez farinha, não preparou a massa, não esquentou o forno, nem o pôs para assar, ou sequer deu o suporte de alguma presença solidária quis comer o bolo.

* Quem conhece a história sabe: os preguiçosos aparecem quando o bolo está pronto na janela.

* Moral? Aprender que nas parábolas de nossas vidas cidadãs os peçonhentos existem. Devemos então aprender a usar galhos. Porque a vida é feito um câncer de mama, a prevenção e a defesa não é somente um direito, é também uma obrigação para com aqueles que você ama.

* Salomé, Henry, e demais Conselheiros de consciência limpa, vocês são dignos de eterna admiração.

15 comentários:

  1. Dizer o que?
    Só posso agradecer sua solidariedade e seu companheirismo, sua lucidez e seu poder de argumentação, que ajudaram a construir esse sonho agora surrupiado...
    Obrigado, Cecília!

    ResponderExcluir
  2. Ah! nao foi esta a oração que Ele nos ensinou. Se Ele tivesse usado das prerrogativas da prevenção e da defesa, nao teria ido à cruz para nos salvar. Seguindo-Lhe o exemplo, devemos sim fratela, procurar tirar dos seus buracos escusos os irmãos que nao tiveram a sorte de serem belos e iluminados comos nós...dois.
    Eu, por exemplo, estendo a mainha mão ao Heitor,ao André, à Elaine, ao Picasso, ao Consa...

    ResponderExcluir
  3. Caro José Hamilton, Jesus de fato entregou-se no lugar do bandido Barrabás. Mas também disse que o fez para nos salvar.

    ResponderExcluir
  4. Ow... Quem falou em André, Picasso, Elaine? Ainda está sob efeito do líquido do final de semana passado, ou já está no clima do próximo? kkkkkkkk***

    ResponderExcluir
  5. Cecilia, me sinto muito honrado por ter trabalhado no CMPCA, por ter a sorte de fazer parte de um Conselho democrático, ao lado muitas pessoas de grande valor, que lutaram de fato pela criação do tão sonhado terreno fértil para a cultura de nossa cidade. Me sinto orgulhoso também pelo seu reconhecimento, pois esse de fato tem peso.
    È uma pena que tenhamos sido tomados de assalto por corsários, tanto se tinha pra fazer...
    Naquele momento em que me senti saqueado dos meus direitos democráticos, um deles me disse: você é muito romântico, idealista, isso aqui é diferente, isso aqui é política..."
    Sabe de uma coisa eu concordei com a cabeça.
    obrigado mais uma vez.

    ResponderExcluir
  6. Henry, respondo por mail!
    Admiração por entender que política não é imundíce!
    Deixe-os emporcalharem-se por si.

    ResponderExcluir
  7. Rosaldo de Oliveira10 de novembro de 2011 21:03

    Boa noite....Cecília Ferreira.....não conheço pessoalmente mas já a admiro; gostaria de parabenizá-la pela lucidez das palavras e também aos trabalhadores da cultura de Araçatuba.....Ao ler seu texto me emocionei, pela certeza que ainda existem pessoas comprometidas com a ética...grande abraço....

    ResponderExcluir
  8. Rosaldo, bom e emocionante é saber que existe eco. Grata (e tenho certeza muitos por aqui estarão) por manifestar-se. Isso energiza e dá amparo. Abraço.

    ResponderExcluir
  9. Fico contente por existe pessoas como você que dá valor à vida
    grato.Décio.email p.decio@hotmail.com

    ResponderExcluir
  10. Obrigada Décio! Seu apoio é muito importante! Agradecerei por e-mail, com certeza!

    ResponderExcluir
  11. Pois é Cecília, antes de mais nada, quero parabenizá-la pelo seu discernimento pleno. É por essas e outras atitudes iluminadas suas, que têm arrebatado um grande legião de fãs. "Quando crescer, quero ser igual a Cê!" rs*****
    Agora quanto a humildade do Sr. José Hamilton, deixa que com ele eu me entendo de outra forma,grrrrrrr, pois ele mesmo sabe por quantas vezes ele mesmo estendeu a mão para sair do buraco e eu inocentemente ajudei essa "traia". Ahhh... Zé... Deus está contando suas faltas e saberá cobrar-lhe na hora e medidas exatas!

    ResponderExcluir
  12. É preciso que o mundo saiba: esses meus dois amigos se amam! r***

    ResponderExcluir
  13. O fato que caracteriza ainda mais a natureza do escorpião é que ele picou o sapo NO MEIO DO RIO e não na segurança da margem e assim iria morrer também. Frente ao assombro do " bichim" foi que ele disse que morreria mas nao abriria mao da sua natureza. Mais ou menos o que acontece com certos políticos que mesmo sabendo que estão enterrando as suas carreiras na área, ainda assim se cobrem de lama.

    ResponderExcluir
  14. Brito! Rapaz! Não é que vc tem razão! Tem gente se autoferroando... ou autoferrando... enfim...

    ResponderExcluir

Que bom que quis comentar. Pode esperar que logo respondo. Obrigadinha.