terça-feira, 27 de setembro de 2011

Tampas e chapéus






"Nunca discuta com um idiota. As pessoas podem não notar a diferença." - Arthur Bloch







Ai... Esse, com certeza, é um chapéu que me veste...

Porque amo uma dissidência, desde o tempo em que a confundi com um abridor de garrafas (mas isso é uma outra história).

O que não deixa de ser uma bela metáfora: ser aberta e esvaziada para que haja espaço para o novo...

Fazer o quê se estou sempre na esperança de que alguém, por favor, mude a minha crença, amplie meu conhecimento, altere minha visão, transfira minhas expectativas?

Sorrindo aqui, sem gracinha, do alto da minha pretensa sabedoria, dos chapéus que a cabeça aceita e das tampas que nunca me vedam...

2 comentários:

  1. adorei a analogia, Cecília. É bom mesmo quando alguém derruba nossas certezas e nos mostra o quanto ainda temos a aprender.

    um abç

    ResponderExcluir
  2. Oi, Patrícia. Ss falhas existem, encontremos para elas alguma aplicação (risos). ;)

    ResponderExcluir

Que bom que quis comentar. Pode esperar que logo respondo. Obrigadinha.