sábado, 6 de agosto de 2011

Sedução


Eu sou a mesma de ontem,
você também não mudou,
no entanto algo diferente
(que desta vez foi suave
como eles já não sabem
ou não querem mais fazer)
me atraiu,me fez contente.

Foi com tanta sutileza,
tão profundo o seu engenho,
que além de seu espólio,
fui também o seu bebê,
sua gueixa, sua Amélia,
sua tia doce e velha,
seu copinho de saquê.

Em outra vez, ao contrário,
não fui sílfide carente,
me fiz deusa onipotente
senhora do seu destino,
dos seus ares de menino,
da sua maneira de ser;
Afrodite onipresente
talhando febris ardis,
urdindo poções e posses,
só para vê-lo feliz.

Houve dia em que eu não quis;
de ausente fingi minha alma
nada doce, nada calma
– tornei-me revelação.

Eu então – mesma de sempre –
o fiz demo onipotente
(tamanho o seu domínio
sobre este pobre objeto,
ai, senhor do meu afeto,
senhor desta criação).

Amanhã serei escrava
você ogro e sua clava,
serei neve, você chuva
e quando você for lava
renascerei em vulcão
no jogo do frio-quente
– no jogo do estar presente
no imo e na imaginação –
xeque-mate em sedução.

CURIOSIDADES:
* Poema do livro: Vinhos (subdivisão: Mélicos), autoria Cecilia Ferreira
* Agradecimento especialíssimo ao meu marido, meu único grande ouvinte e incentivador, sem o qual jamais teria tornado público nenhum poema.
* Para aquele que escreve sempre sobre si mesmo e desconhece que um escritor é capaz de imaginar, tanto quanto um pintor, engenheiro, ou decorador, afirmo: um autor é capaz de imaginar.

5 comentários:

  1. " seu copinho de saquê " achei lindo, como diz o Heitor.
    Mas toda a poesia é linda...congratulations dona neve. r******

    ResponderExcluir
  2. Tudo muito interessante por aqui,
    Gostei muito mesmo.
    E te convido para conhecer meu espaço, caso queira dar uma olhada, seguir..;

    http://www.bolgdoano.blogspot.com/

    Muito Obrigada, desde já.

    ResponderExcluir
  3. Vim te conhecer e gostei. Vou te seguir. bj

    ResponderExcluir
  4. Um poema regado a pétalas de rosas, no qual, a imperatriz da poesia emociona o leitor, extravasando toda a docilidade do seu coração-criança. É impossivel não reler...

    ResponderExcluir
  5. Depois do meu post sobre a senil idade, estou achando ótimo voltar a ser criança (risos).
    Que bom seria ter sempre essa visão tão gentil que você tem das coisas, Antenor!

    ResponderExcluir

Que bom que quis comentar. Pode esperar que logo respondo. Obrigadinha.