sexta-feira, 27 de maio de 2011

Quem é a besta?


Entrei na loja.

Poxa, eu só queria comprar um edredom macio e envolvente. Afinal, ao menos na hora do sono, deveríamos ter o direito de sonhar com um mundo melhor.

E para sonhar com esse mundo é preciso no mínimo uma cama macia, porém firme, e se possível com um cobertor suave, que aqueça esses dias de inverno que hão de piorar. E é preciso que seja leve! De pesado bastou o dia que você teve.

Então entrei na loja, a colcha da minha filha já perdeu a maciez. Quando a comprei não me lembro de falarem nos fios. Com certeza era feita de fios, ora. Mas agora, se quiser dormir macio, é preciso perguntar: Quantos fios? Então, na tal loja os fios do algodão eram poucos para os números do valor monetário que eram muitos.

Macio, eu repeti.

E leve, tem que ser leve!

A mocinha resmungou: “Então você quer cobertor soft!”

Uai, soft não quer dizer macio, só que em inglês?, respondi.

E ela retrucou fazendo uma ligeira careta para a minha ignorância: “Se não quiser soft pode ser microfibra também...”.

Quantos fios?, indaguei.

Rindo a garota respondeu: “Ah, esse não tem fio!”.

Não? Então de que jeito é fiado?, exclamei.

A atendente me olhou como quem olha uma louca, e disse: “Olha, fiado a gente não vende,não!”

Deixei os detalhes pra lá, o que eu queria era chegar em casa com o presente pra minha filha, uma trabalhadora incansável, mas humana.

O que você tem de mais macio?, pedi com um sorriso. Ela trouxe coisas de cores um tanto elétricas. As tais cores choques, da moda!

Socorro!

Explico o meu pedido de ajuda...

Restart em inglês quer dizer recomeço.

Restart, no Brasil, também é o nome de um grupo musical. Um conjunto formado por garotos, jovens demais, cabelos espetados e passados a ferro demais, usando calças e blusas apertadas demais, passadas a ferro de menos, mas descombinadas demais, com comprimentos incongruentes demais, e cores elétricas demais.

De menos? As letras das músicas e as melodias, excelentes para criancinhas que ainda não conseguem apreciar coisas mais sofisticadas.

Mas, como eu dizia: Socorro!

Agora temos que dormir como se estivéssemos no meio do barracão dos tecidos e retalhos que sobraram do último desfile da Beija-flor de 2011? Pra que tanto berrona cor? Tá certo,o desfile foi campeão. E, diga-se de passagem, ninguém teve coragem de dizer a verdade: ô desfilezinho de mau gosto. Até pra carnaval era demais.

Ah, que me desculpe o rei Roberto, mas quando eu usava as calças rancheiras, rosa na frente e vermelha atrás, a la Wanderléia (é perdoável, porque eu tinha nove anos de idade), que o meu paladar evoluiu.

Enfim, o investimento do Rei Roberto na escola e na Globo foi grande, portanto vamos combinar que a vitória imerecida foi merecida.

Mas, como eu dizia... Eu disse pra moça: Socorro! Não tem aí nada mais démodé? Ela me olhou esquisito de novo e eu traduzi: nada mais fora de moda? Sem estampas, um beije, um verde musgo, um rosa suave?

Acabei encontrando duas coisas: um roupão de microfibra, desses que papai do céu abençoa e deseja para cada um de nós, e um... um... Cobertor? Será que a palavra cobertor serve pros softs? Enfim, um agasalho para a cama: soft!

Agora era pagar e embrulhar...

Pensa que acabou a novela? Acabou nada!

Enquanto o presente era embrulhado, a mocinha me embrulhava. Entregou um formulário e disse: “Você é cliente nova, preenche!”.

Não perguntei como haveria de ser cliente velha se a loja só tem dois meses deinaugurada... Mas, tudo bem, fui preenchendo o que era razoável, e pulando e ignorando o excesso de informações pessoais. Não me lembro de ter trocado confidências com ela, oras!

Cheguei ao caixa, e o meu cartão passou sem problemas. O formulário? Adivinhe!

Não!

A mocinha do caixa, quis a data do meu aniversário, telefone, endereço residencial, comercial, industrial, registro na biblioteca, número de assinante na Folha da Região, nome do clube que frequento, C.I.C, RG, e PQP. Só faltando registrar a próxima ida ao meu dentista e se a última mamografia que fiz garantiu a ausência de nódulos.

Disse que se eu não entregasse o currículo completo o “sistema” não concluiria a venda.

Companheira da pressa entreguei tudo me sentindo como se estivesse com as mãos para o alto, e o ferro de uma arma cutucando o meio do estômago.

Saí, com os pacotes sendo carregados por uma terceira sorridente mocinha. Que deve ter sido orientada para enxergar cada cliente como um bandido em potencial... Mas a assaltada fui eu! Levaram todos os meus dados como se fossemos velhos amigos. Minhas confidências numéricas estão todas lá, ao Deus dará.

Juro: não volto mais naquela franquia, enquanto as lojinhas de gente conhecida que vivem no interior paulista permitir.

Quero um moderno “restart” do movimento hippie, não do movimento Jovem Guarda. Quero pintar a cara de paz e amor e viver numa sociedade que conhece, reconhece, confia e ama.

Porque talvez eu não esteja pronta para ser um registro, na lista da Besta Apocalíptica, a ser sugado e perseguido. Não quero ser um conjunto de números e nada mais.

De besta basta a Besta, não precisam de mais esta besta aqui.

9 comentários:

  1. otimo , otimo , otimo

    ResponderExcluir
  2. Olá dois anônimos,ou duas...ou um par...(risos),voltem sempre. Que bom que agradei!
    :)
    Bjins

    ResponderExcluir
  3. Cecília, muito bom o texto. E é incrível como hoje em dia é assim, uma banalização sem fim, as pessoas pedem seu telefone, celular, nome da mãe do pai e deu ginecologista, número de CPF, RG e conta bancaria, assim, na maior cara de pau. Eu me recuso! sempre pergunto educadamente: posso não querer fornecer essas informações? se a resposta for sim, eu passo para o próximo passo, se a resposta for não, o próximo passo é desistir de seja lá o que for que eu estava pretendendo fazer.

    Adorei a parte sobre o Restart! o mundinho complicado esse de hoje...rs

    abração

    ResponderExcluir
  4. Gostoso ler seu comentário. Gostei da sua dica e vou ficar mais espertinha! (risos)E o nosso mundinho? Vamos driblando,driblando... r* Bjns

    ResponderExcluir
  5. kkkkkkkkkkkkk muito bom! Pior seria, se fosse o retorno a tal loja e lhe pedissem, por favor preencha um cadastro o antigo está desatualizado! tem lugares que por mais que a gente justifique que mora no mesmo endereço à anos, tem o mesmo endereço não resolve... abraços!

    ResponderExcluir
  6. Da próxima vez vou inventar,aomenos o número do celular,pra ver se param de enviar mensagem a cada duas semans! r**

    ResponderExcluir
  7. Wonderful!
    Este trato com as palavras, numa busca séria e contundente de entender a inteligível personagem de vendedora, me faz simplesmente delirar. Parece mesmo que "elas" frequentaram todas a mesma escola... Ao entrar em qualquer loja, sinto-me como um $, as tais colaboradoras, simplesmente pensam em quanto vão conseguir retirar de nossos bolsos, para que elas tenham um bom soldo no final do mês. É complicado, mas eu amei de paixão as suas intervenções do Restart, Beija-Flor, ai quanta forma simples e direta de nos fazer ver uma realidade tão simples e de forma tão sutil. Adoro esse seu jeito perspicaz de fazer colocações! Beijocazzzzzzzz grandes! ^^

    ResponderExcluir
  8. Jackie,querida,obrigada.Vou responder o que pra vc? Também admiro vc,agora que descobri que tem vozpara alémdasletras então!!! r***
    Bjks

    ResponderExcluir

Que bom que quis comentar. Pode esperar que logo respondo. Obrigadinha.